Saturday, September 23, 2006

Amor...

Deixo-vos aqui a mais bela declaração de amor, um poema fantástico de ALEXANDRE O'NEILL ... um pouco de como vai a minha alma...


"
Há Palavras Que Nos Beijam "


"
Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto,
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído,
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte. "

Um conselho, a nossa Mariza, no seu album transparente encanta com a sua voz quado interpreta este poema... Encantem-se com tais palavras
de amor...

5 Comments:

Blogger _aifos_ said...

Conheço o poema e a interpretação deve ser um bom conselho!

Boas escolhas!
[ ]

4:12 PM  
Anonymous Mel said...

Bruno, não vale ... no dia em que te pensei mandar O'Neil, comecei a passar este poema para to oferecer e, acabei por decidir mandar o outro... Amigo, não há coincidências. Sim, gostamos de O'Neil.

Já agora... Ary dos Santos: Hoje ouvi Carlos do Carmo em "Estrela da Tarde", um poema de Ary ... Lê Bruno! Creio que vais gostar, concerteza até já leste, mas é tão lindo ...
"Estrela da Tarde"

Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca, tardando-lhe o beijo, mordia
Quando à boca da noite surgiste na tarde tal rosa tardia

Quando nós nos olhámos tardámos no beijo que a boca pedia
E na tarde ficámos unidos ardendo na luz que morria
Em nós dois nessa tarde em que tanto tardaste o sol amanhecia
Era tarde de mais para haver outra noite, para haver outro dia

Meu amor, meu amor
Minha estrela da tarde
Que o luar te amanheça e o meu corpo te guarde
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza
Se tu és a alegria ou se és a tristeza
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza

Foi a noite mais bela de todas as noites que me adormeceram
Dos nocturnos silêncios que à noite de aromas e beijos se encheram
Foi a noite em que os nossos dois corpos cansados não adormeceram
E da estrada mais linda da noite uma festa de fogo fizeram

Foram noites e noites que numa só noite nos aconteceram
Era o dia da noite de todas as noites que nos precederam
Era a noite mais clara daqueles que à noite amando se deram
E entre os braços da noite de tanto se amarem, vivendo morreram

Eu não sei, meu amor, se o que digo é ternura, se é riso, se é pranto
É por ti que adormeço e acordo e acordado recordo no canto
Essa tarde em que tarde surgiste dum triste e profundo recanto
Essa noite em que cedo nasceste despida de mágoa e de espanto

Meu amor, nunca é tarde nem cedo para quem se quer tanto.

Bruno... quantas vezes o Amor não é isto?

"Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza
Se tu és a alegria ou se és a tristeza.."

Mas e sempre, seguimos os instintos, damos espaço à Alma e acreditamos ...
Bjs@ de Mel ...

4:24 PM  
Anonymous Anonymous said...

Querido Amigo Bruno,
Muito obrigada pelo carinho.
Mariza
_______________________
www.Mariza.org

5:12 PM  
Anonymous su said...

...ambas as versões são lindíssimas...a letra do poema e depois a interpretação da Mariza.
Belo momento este o da recordação.

: )

2:36 AM  
Anonymous Mel said...

Bruno, meu Amigo, amante da Chuva e de O'Neill.
A noite de Mel teceu um poema ...
Vai até lá, encontras O'Neill e ...
Chuva!
Espero que gostes da Viagem! Á chuva ...
Bjs de Mel

3:15 AM  

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home